Categoria: Sem categoria

Como o Seguro de Crédito Exportação pode ser importante para sua empresa diante de uma Guerra Comercial EUA X China?

jan 6, 2021 por traderisk

Atualmente temos visto muita especulação sobre uma eventual Guerra Comercial entre EUA e China.

Vemos diariamente que aos poucos ela deixa de ser meras ameaças e começa a virar uma realidade que se coloca sob a mesa do gestor com um longo ponto de interrogação.

 – Como minha empresa esta preparada para isso?

 – Como meu importador será afetado e como isso me afeta?

 – Como posso ter melhor previsão de quando meu negócio pode será efetado?

Todas essas perguntas ocorrerão e será que sua empresa possui os mecanismos que podem antecipar as respostas a cada uma delas?

Temos observado que boa parte das empresas que visitamos não possui área especializada voltada para análise e monitoramento dos riscos comerciais e políticos vindos de suas exportações.

Entendemos que as empresas exportadoras brasileiras necessitariam de um grande investimento em capital humano e em suplementos de informações para conseguir, em tempo razoável, avaliar seus riscos e tomar as decisões corretas que não afetariam suas vendas de forma subavaliada e nem levaria a um calote sistêmico com uma analise superestimada.

Nesse conceito o SEGURO DE CREDITO EXPORTAÇÃO contratado através de uma consultoria especializada e sob gestão de uma seguradora com grande expertise voltado ao seu seguimento poderá antecipar muitos dos riscos que ocasionalmente surgirão e que podem impactar seu negócio.

O expertise das Cias Seguradoras como COFACE, EULER HERMES, ATRADIUS E CESCE foi conquistado com décadas de estatísticas e estudos, vindos de período de crises e de períodos de bonança e que podem ser transferidos de forma imediata ao seu negócio com a contratação de apólices de SEGURO DE CREDITO EXPORTAÇÃO que cobrem eventuais riscos comerciais e políticos.

Conheça mais sobre esta solução e perceba como a consultoria especializada da TRADERISK poderá ajudar seu negócio a se blindar corretamente aos efeitos colaterais de uma eventual Guerra Comercial entre EUA e China.

Forte Abraço

Adriano Tomasoni, Diretor Técnico na Traderisk | Risk Consulting

www.traderisk.com.br

“CORRELAÇÃO e CONCENTRAÇÃO” … sua empresa já ouviu falar sobre “SEGURO DE CRÉDITO” ?

jan 6, 2021 por traderisk

No auge da Operação Carne Fraca escrevi um artigo aqui no Linkedin relatando sobre os riscos que as empresas estão sujeitas e que não tem gerencia alguma com sua forma de decidir crédito.

Naquela ocasião muitas empresas nos procuraram para se proteger (ai então) de um risco que eles não calculavam.

O “Risco Sistêmico” de estar com uma boa parte do seu faturamento concentrado em compradores do meio da cadeia produtiva, que podem ser afetados por situações externas ao seu negócio, mas que impactam diretamente em sua imagem e relacionamento com o mercado, “respingando” portanto no seu fornecedor que muitas vezes pouco imaginou este tipo de risco

Nesta semana estive em um prospect com um perfil semelhante, vende pra grandes nomes, concentra muito do faturamento nestes compradores e esta situado no meio da cadeia produtiva já que fornece uma matéria prima para um produto que ainda passara por mais uma transformação antes de chegar na prateleira do comercio varejista, posteriormente ao comprador final.

Ou seja, nosso prospect estava diretamente a mercê da boa governança do seu cliente, uma boa governança de crédito, que muitas vezes também esta também com suas vendas concentradas em poucos clientes, consequentemente suscetível aos mesmos riscos que relato aqui referente ao seu fornecedor.

Nesta cadeia produtiva, uma carta do baralho sendo arrancada, faz todo castelo de cartas ser prejudicado.

Esse risco muitas vezes não é calculado devido os esforços de tempo empreendidos nestes maiores clientes, que geram resultado SIM, mas fazem com que não se dê um passo atrás para se enxergar este tipo de risco.

Muitas vezes somente a eminência de um colapso as empresas buscam ferramentas para se protegerem, as vezes tarde demais.

Neste caso a nossa sugestão sempre é (logicamente) SEGURO DE CRÉDITO

1 – Porque a empresa pode justamente usar essa ferramenta para buscar novos mercados, com mais segurança, protegida, como foco concentrado em VENDER, VENDER para clientes saudáveis identificados pela sua ferramenta de Seguro de Crédito, tudo isso no intuito de, aos poucos, o faturamento concentrado em um grupo pequeno, vir a ser diminuído (ou diluído) dentro de um faturamento maior que se poderá conquistas.

2 – Enquanto se esta buscando novos mercados e identificando oportunidades internas, estar protegido de um evento sistêmico dentro da cadeia de comercio que esta inserido, evitando assim as surpresas indesejáveis de bruscamente perder uma fatia grande do seu faturamento.

Atualmente o Seguro de Crédito vem ganhando cada vez mais mercado, apoiado por corretoras de Seguro especialistas como a Traderisk, crescendo cerca de 20% ao ano.

Ano a ano as empresas Brasileiras tem entendido que o “auto seguro” pode resultar em limites conservadores que reduzem o potencial de receita, não te protegendo de uma grande perda inesperada e criando uma dependência de fonte de dados de terceiro, que não possuem compromisso algum com eventuais perdas que sua empresa pode ter se baseando neste tipo de decisão.

Para mais informações a Traderisk | Risk Consulting esta a disposição do mercado.

Um forte Abraço!!

Adriano Tomasoni / Diretor Técnico da Traderisk | Risk Consulting

#SegurodeCredito #TradeRisk

www.traderisk.com.br

Seguro de Crédito Exportação e benefícios a sua empresa após o Acordo Mercosul X UE

jan 5, 2021 por traderisk

Um acordo esperado desde 1999 por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, principalmente o Brasil por ser o maior entre as nações e devido a atual estagnação da nossa economia, refletida em 13 milhões de desempregados.

É motivo de comemoração entre toda classe produtiva dos 4 países.

O objetivo principal do acordo é ZERAR todas as tarifas de importação sobre cerca de 90% do comercio bilateral em 15 anos, mas boa parte das tarifas será zerada em menos tempo.

Praticamente todos os setores estão de alguma forma incluídos e a expectativa é que isso gere um incremento de cerca de 100 bilhões de dólares e um aumento de investimento no país na ordem de 110 bilhões de dólares.

Redução nas tarifas de importação podem gerar uma grande competitividade para os produtos brasileiros mas gerará também uma concorrência entre as próprias empresas brasileiras que, logicamente, vão querer surfar nesta onde e tentarão ganhar o maior espaço possível neste mercado.

Estima-se que as empresas que operam suas exportações “open terms” possuem um incremento de cerca de 40% em suas vendas se comparadas com empresas que buscam algum tipo de garantia de recebimento contratada por parte do comprador, ou mantem sua politica de crédito fechada a negociações a prazo.

Isso é um erro hoje… e será um erro também manter este tipo de política conservadora de crédito após este acordo de livre comercio entre Mercosul e UE.

O mercado europeu é extremamente maduro no que se refere a vendas protegidas, obrigado as empresas a manterem uma capacidade financeira sustentável e uma governança corporativa em plena sintonia, para que tenha acesso facilitado a condições de prazo junto a seus fornecedores.

Em muitos casos os exportadores europeus não vendem sem garantia de Seguro de Crédito.

Muitas das empresas brasileiras ainda não estão adaptadas a “formas mais capitalistas” de negociação, e deixam de ser competitivas por não possuírem os mecanismos corretos de avaliação e mitigação de riscos que proporcionaria a elas uma maior exposição, consequentemente um maior faturamento, financiando seus importadores europeus com prazos e sem a exigência de garantias adicionais como carta de crédito confirmada ou eventualmente valores antecipados.

As empresas que saírem na frente com adoção de uma política de crédito baseada em arrojo comercial com vendas bem avaliadas e protegidas e não em “conservadorismo medroso”, serão as que mais vão usufruir dos benefícios criados as exportações brasileiras através desse acordo comercial

Lembre-se que você não esta sozinho neste mercado e que empresas Argentinas, Paraguaias e Uruguaias competirão com seus produtos em tarifas iguais de importação no mercado europeu.

Ainda é importante ressaltar que nunca na história desse país houve tanto crédito baseado em exportações performadas, em taxas subsidiadas, e que exigem como garantia mais barata justamente apólices de Seguro de credito Exportação, comprovando a qualidade deste tipo de mitigação de riscos.

A Traderisk se tornou referência na estruturação deste tipo de operação, que combina proteção e financiamento, para sua empresa crescer com qualidade ganhando qualquer mercado que queira participar dentro do globo.

Contem conosco para esta etapa importante do comercio internacional de sua empresa

Obrigado!

Adriano Tomasoni (Diretor Técnico) – adriano.tomasoni@traderisk.com.br

www.traderisk.com.br