Seguro de Crédito e e benefícios a sua empresa após o Acordo Mercosul X UE


Um acordo esperado desde 1999 por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, principalmente o Brasil por ser o maior entre as nações e devido a atual estagnação da nossa economia, refletida em 13 milhões de desempregados.


É motivo de comemoração entre toda classe produtiva dos 4 países.


O objetivo principal do acordo é ZERAR todas as tarifas de importação sobre cerca de 90% do comercio bilateral em 15 anos, mas boa parte das tarifas será zerada em menos tempo.

Praticamente todos os setores estão de alguma forma incluídos e a expectativa é que isso gere um incremento de cerca de 100 bilhões de dólares e um aumento de investimento no país na ordem de 110 bilhões de dólares.


Redução nas tarifas de importação podem gerar uma grande competitividade para os produtos brasileiros mas gerará também uma concorrência entre as próprias empresas brasileiras que, logicamente, vão querer surfar nesta onde e tentarão ganhar o maior espaço possível neste mercado.


Estima-se que as empresas que operam suas exportações “open terms” possuem um incremento de cerca de 40% em suas vendas se comparadas com empresas que buscam algum tipo de garantia de recebimento contratada por parte do comprador, ou mantem sua politica de crédito fechada a negociações a prazo.


Isso é um erro hoje... e será um erro também manter este tipo de política conservadora de crédito após este acordo de livre comercio entre Mercosul e UE.


O mercado europeu é extremamente maduro no que se refere a vendas protegidas, obrigado as empresas a manterem uma capacidade financeira sustentável e uma governança corporativa em plena sintonia, para que tenha acesso facilitado a condições de prazo junto a seus fornecedores.


O caminho inverso é o mesmo, as empresas que vendem buscam segurança de proteção de seus recebíveis através de apólices de Seguro de Crédito, que obrigam seus compradores a possuírem determinada qualidade em seus números.


Em muitos casos os exportadores europeus não vendem sem garantia de Seguro de Crédito.


Muitas das empresas brasileiras ainda não estão adaptadas a “formas mais capitalistas” de negociação, e deixam de ser competitivas por não possuírem os mecanismos corretos de avaliação e mitigação de riscos que proporcionaria a elas uma maior exposição, consequentemente um maior faturamento, financiando seus importadores europeus com prazos e sem a exigência de garantias adicionais como carta de crédito confirmada ou eventualmente valores antecipados.


As empresas que saírem na frente com adoção de uma política de crédito baseada em arrojo comercial com vendas bem avaliadas e protegidas e não em “conservadorismo medroso”, serão as que mais vão usufruir dos benefícios criados as exportações brasileiras através desse acordo comercial


Lembre-se que você não esta sozinho neste mercado e que empresas Argentinas, Paraguaias e Uruguaias competirão com seus produtos em tarifas iguais de importação no mercado europeu.


Ainda é importante ressaltar que nunca na história desse país houve tanto crédito baseado em exportações performadas, em taxas subsidiadas, e que exigem como garantia mais barata justamente apólices de Seguro de credito, comprovando a qualidade deste tipo de mitigação de riscos.


A Traderisk se tornou referência na estruturação deste tipo de operação, que combina proteção e financiamento, para sua empresa crescer com qualidade ganhando qualquer mercado que queira participar dentro do globo.


Contem conosco para esta etapa importante do comercio internacional de sua empresa

24 visualizações

Siga-nos nas redes sociais

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon

© 2019 | Traderisk | Capital & Insurance